quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Eu's mEUs.





Cada pessoa que passa por nos, nós da um pouco de si...
mas são tantas pessoas que vem, e vão...
que no fim todos esses poucos se tornam muito...
Tantos ''eus'' que não eram meus, e que agora apresento como parte de mim...
Sou tanto de mim quanto de todos que ja conheci.


vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês
vocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocêsvocês



"Quem já passou por essa vida e não viveu, pode ser mais, mas sabe menos do que eu, porque a vida só se da pra quem se deu...Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair. Pra que somar se a gente pode dividir?..."

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Já fui Alfredo e Meg...



Era um dia especial e único como todos os outros, e até aquele momento, La pelas cinco da tarde, foi monótono como nenhum havia sido, a tarde chegava a dar sono...
Foi ai que, exatamente as: 17:04. Conheci Meg, e ela me fez acordar...
Primeiro ela estava na rua, passando em frente ao restaurante onde eu estava(vendo o dia entardecer), e em um instante, quando dei por mim, eu e ela já estávamos conversando...
- Olá, meu nome é....
- Meg? ...
- Sim, Como sabia?
- não sei, só sabia, acho que a senhora tem cara de Meg...
- Ah! Então você tem cara de Alfredo... E não me chame de senhora, isso me faz parecer velha.
- Desculpe-me. Senhorita Meg então? Acho que combina melhor mesmo, as duas palavras me lembram francês, e a senhora, ou melhor, senhorita, tem cara de quem já viveu na frança...
- Se você diz... Eu devo ter estado La, só não me lembro bem... Alias, não lembro de muita coisa, mas lembro que costumava escrever, amava escrever... Em algumas paginas, sim, em pelo menos algumas linhas, já fui francesa... Eu sempre sonhei acordada, desde muito nova, mas, um dia, a vida me adormeceu...
- A vida lhe adormeceu? Como assim?
- Trabalhos, estudos, obrigações... Eu sonhava com liberdade... Mas ao custo dela foi alto, rapidamente parei de sonhar acordada, depois de escrever... E quando percebi, minhas tarefas me consumiam tanto que eu mal dormia, e quando o fazia, o cansaço inibia até os sonhos dormindo...
- A vida lhe adormeceu, ou você adormeceu pra vida?
- Não sei bem agora... Só sei que, do mesmo jeito que, do mesmo jeito que quando se dorme e acorda, a vida passou em um fechar e abrir de olhos, e tudo que aconteceu, é só memória - quando eu lembro -. Talvez seja essa a grande semelhança entre o sonho e o real, quando passam, ambos viram somente memória...
- A senhorita disse: “...Fechar e abrir os olhos...”. Quando a senhorita abriu os olhos?
-Não lembro direito quando abri, e sim quando me dei conta de ter-los aberto: Foi quando te vi, ou melhor, quando você me viu. Quando adormeci para a vida, parei de sonhar, mas não de ter pesadelos, alias, tive um só pesadelo, único e interminável, deixei de ter pessoas me controlando diretamente mas, em um mundo no qual o dinheiro compra vidas, acabei vendendo a minha, e vendi a prestações as quais paguei até esta tarde, as: 17:04. Durante o pagamento tive somente uma sobra, uma sobrevida. Vim , vi, sobrevivi, mas não vivi... Foi isso, assim como nunca se sabe quando exatamente os sonhos começam, não sei exatamente quando abri os olhos...
- É estranho você falar em sonhos... Eu estava quase dormindo quando você apareceu...
- Que bom que te mantive acordado então, devia ter a sua idade quando comecei a fechar os olhos...
- Obrigado...
- Tenho que ir, quero ver o pôr do sol do alto da torre Eiffel hoje...
- Mas não estamos longe demais da frança ?!
- Au revoir Alfredo...
-Au revoir senhorita Meg...

*Meg aparentava ter em torno de 70 anos, tinha olhos azuis, e cabelos brancos assim como sua pele, usava uma touca de lã, bolsa de lã e vestido branco com flores azuis e rosas, e um casaco cinza. Ela parecia ser ainda mais velha falando, tinha um ar de quem viveu muitas vidas... Mas seu espírito, esse era muito mais jovem que eu...

*17:11, Acordei de novo, espero continuar assim...

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O sonho de um camarada d'água.







Musica cura tudo!(menos surdez...) ...



As notas certas, com certeza se fizeram notar, o violino de galdino como sempre foi divino ! Os graves n'alma gravavam-se(,) por baixo.







As bailarinas dançavam de ponta-cabeça, e voavam em cordas em plena selva de pedra. As pessoas pulavam, cantavam e GRITAVAM, as palmas celebravam e marcavam os ritmos
A lua iluminava, os holofotes iluminavam e as pessoas eram iluminadas... Mas nada em todo aquele brilho tinha mais luz do
que as musicas...
Pessoas! Fernando(Rosa), Pessoas! Fernando(Anitelli), Pessoas!


As batidas do meu coração se misturavam com a percussão e com o contrabaixo, meus olhos piscando(isso quando eu conseguia piscar) se misturavam com as luzes, e a felicidade estava em todo lugar.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

It's not a lie if you believe.


believe in the lie of your beloved, or try to live laughting of your lack of luck.
Have you lost your lust?
Have you looked for the key? Neither could you lock your heart nor forgot,
truth is related with what you thought.
where in the silence of her eyes, I lost my rationality without think twice?
How much really matter what is truth? When i just have dreams in my stuffs.

sábado, 13 de novembro de 2010

A viajem é a diversão inteira(Ser feliz é literalmente o caminho.).


Por algum tempo, eu procurei o sentido da vida, e como era de se esperar, eu não o encontrei... Mas, encontrei varias coisas com as quais não fazia sentido perder tempo, e uma dessas coisas, é justamente, procurar um motivo pra se estar vivo.

Li sobre alguns casos de como as pessoas lutavam pelo que queriam, e sobre como ao alcançarem “tudo que queriam” ficavam sem objetivos. Alcançar o que se quer nem sempre traz a verdadeira felicidade. Um certo jogador de baseball ao ser questionado sobre o que ele queria que lhe dissessem quando ele começou a carreira, que havia sido perfeita e cheia de conquistas, disse: -Gostaria que tivessem me dito que quando se chega no topo não existe mais nada.

felicidade tem muito mais haver com lutar pelo que se quer, e com o caminhar para se conseguir, do que com se alcançar tudo que se sonhou, até porque ao alcançarmos algo, ou nos deparamos com a falta de novos objetivos, ou com um novo objetivo a ser alcançado(sendo o segundo caso mais provável), e é ai que recomeça tudo, e a felicidade continua.

As pessoas ficam ansiosas, e esquecem do agora, simplesmente porque o futuro parece melhor, ou por terem objetivos distantes e por tanto não quererem perder tempo com o agora. O problema é que o agora é tudo, o passado são só lembranças, e o futuro apenas expectativas, nos só vivemos o agora, e ele merece ser reconhecido e vivido.

Eu tinha escrito um outro texto enorme sobre o tempo e sobre o que vinha primeiro: futuro, presente e passado; Sobre como o futuro era importante e criador do passado, mas agora não me parece tão bom, nem me deixa tão feliz como perceber que o sentido da vida não é onde se quer chegar(pelo menos não diretamente).

Por mais estúpido que seja essa frase pra uma conclusão... “o sentido da vida é viver” sim, viver pro que te faz bem, correr e percorrer, sangrar pra se consagrar, é continuar adiante. A chegada é uma ilusão, sempre se arruma um novo caminho, uma nova jornada, e um novo sentido pra viver.

“sem motivos nem objetivos, estamos vivos e é tudo...”

sábado, 25 de setembro de 2010

Nunca se é mais exigente do que quando se conhece a "perfeição".

Ele achava bom ser inteligente, ótimo se destacar, era o líder em qualquer lugar... Pelo menos até aqui. Quando se chega em um certo ponto muito próximo da ponta, começa-se a achar aqueles que estavam rentes a superfície “desinteressantes”. Almeja-se algo maior, e encontra-se. Quando chegou ali, foi ela quem ele encontrou, e mesmo voando alto, ele não estava a sua altura...

Para aqueles que estão além das nuvens, os que estavam abaixo e ascenderam são apenas faíscas, estopins com potencial para brilhar, como um vaga-lume querendo ser estrela... E foi isso, ele era o vaga-lume e ela era a estrela, que como todo bom corpo celeste possuía sua própria força de atração, o que fez o vaga-lume orbitar ao seu derredor. O astro celeste permitiu que ele a orbitasse, e o pequeno inseto, por sua vez, se permitiu-se ser atraido reciprocamente(talvez assim fosse, querendo ele ou não...). Ambos movidos pela novidade, ele pela gravidade e pela nova dimensão das coisas, e seu par, pela simplicidade que nunca imaginou poder conhecer.

Eles conversaram, ela o encantava em cada palavra, em cada brilho, e cada vez que ele olhava-a nos olhos via um núcleo de idéias e ideais. Ela somente ria e se admirava, o vaga-lume por mais que fosse insignificante ao lado de uma compania tão brilhante, sabia fazer até uma estrela rir, falava o que pensava, ainda que seus pensamentos não fossem tão grandiosos e não tivesse tanto conhecimento quanto ela. Ela falou um bocado sobre muita coisa, e ele só ouvia, respondendo com sua opinião, porque por mais que tentasse, não conseguia assuntos tão impressionantes quanto os dela ali expostos, tudo que ele podia expor naquele momento, era admiração.

No fim da noite, os companheiros que haviam ficado rentes ao chão se juntaram, voando juntos para trazer-lo de volta, arrancaram o vaga-lume sonhador de sua orbita, levando-o para casa, longe do campo gravitacional da estrela... O vaga-lume não queria ir, e se manteve olhando para cima o tempo inteiro.

Enquanto os outros voltavam para os arredores da terra com ele, perceberam que as asas do sonhador, haviam murchado, devido a ter estado tão próximo estrela, e que seus olhos, estavam ainda piores... Ele parecia cego.

O vaga-lume ainda enxergava ás vezes... Não havia perdido a capacidade de ver... Porém, tinha se distanciado da única visão que parecia valer a pena. Sentia-se enfastiado com o que ainda via, mas mais ainda com o que não podia ver de novo... Não havia ficado cego com o brilho daquele encontro, pelo contrario, passou a entender, como magníficas as coisas realmente podiam ser...

-Existem brilhos tão intensos, que nos fazem perder a sensibilidade, nós inibem de enxergar, certos stopins que poderiam inflamar grandes paixões. Não sei se tenho mais medo ou vontade de conhecer minha própria “estrela”

-Algumas estrelas cadentes passam tão rápido que mal temos tempo para fazer um pedido...




segunda-feira, 20 de setembro de 2010

O retrato coletivo por um estudante no coletivo.


Vento, sol e sombras... Pessoas... Pessoas...
atravessam a rua, param no sinal, mas independente do que façam , estão todas juntas, juntas e distantes... Simplesmente seguindo em frente.
Se distraem e se abstraem como podem. Os afazeres são mecânicos, o ônibus é mecânico, e talvez eu também seja as vezes, mas não agora, se agora eu o fosse, conseguiria escrever melhor nessa travessia extravagante abastecida de mortes e fósseis, mas ainda assim alegre e segura, em feixes e faixas.
Esta descrição só é possível do centro, do acento do "é", do centro do eu, de algo no meu ser. Aqueles que não cruzam por aqui usando as áreas seguras, passam por cima de outros com pressa, pelos atalhos altos e convencionais, sem sinais, sem paciência. Mas a paciência é a tortura virtuosa, quase tão torta como essas linhas rabiscadas durante essa passagem paga pela metade. Quem disse que na vida não existem retornos?! Eles existem, sim aqui eles existem... Mas são fixos, fechados e como em qualquer avenida antiga, são extremamente mal sinalizados.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Nada pode explicar tudo o que eu quero agora.

Vontade de escrever, vontade de conversar, vontade de correr e de parar...
Parar tudo, fazer tudo! vontade de nadar e de não fazer nada.
Encarcerado em casa e em casca, pela ética, pelo horário e pelos objetivos... Feliz! e sorrindo, rindo de tristezas e da rotina, mas ainda assim em piloto automático.
Imortal até hoje, existente desde que sei.. e nesse momento VIVO.
Apaixonado pelo vento, e com saudades do nada. Automático... Continuo rindo... E procurando abrigo. Abrigo do frio, da chuva, de mentiras e de todo esse tradicionalismo que me rodeia.
Empolgado e querendo conhecer mais gente nova e musicas velhas. Estranhamente acompanhado, mesmo sem ninguém fisicamente do meu lado...
Complexo de tão simples... Acabaram de me chamar de louco... Que bom que não sou normal, comum e nem tradicional.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Psico-física para românticos(ou Pseudo romantismo para Cientistas)

Estudar física nunca foi tão interessante quanto hoje a tarde.
É difícil dizer o que se passou comigo, mas o fato é que depois de ler sobre gravitação e tantas coisas, foi isso que saiu:

O campo elétrico é uma região do espaço em torno de uma carga onde manifestam-se atrações ou repulsões. O conceito de campo elétrico surgiu da necessidade de explicar a ação de forças a distância. Podemos dizer que o campo elétrico existe numa região do espaço quando, ao colocarmos uma carga elétrica (q) nessa região, tal carga é submetida a uma força elétrica F. O campo elétrico pode ser entendido como sendo uma entidade física que transmite a todo o espaço a informação da existência de um corpo eletrizado (Q) e, ao colocarmos uma outra carga (q) nesta região, será constatada a existência de uma força F de origem elétrica agindo nesta carga (q). A força F, à qual a carga q fica submetida será atrativa ou repulsiva, dependendo do sinal de (Q). O campo elétrico gerado por uma carga elétrica (Q) positiva é de afastamento e, o campo elétrico gerado por uma carga elétrica (Q) negativa é de aproximação. O sentido do campo elétrico independe do sinal da carga (q) que sofre a ação da força F.

· A Formula é: Onde K é a constante de proporcionalidade, A constante de proporcionalidade K depende do meio onde estão inseridas as cargas

·Subistituindo: Nota-se, por essa expressão, que o campo elétrico gerado por uma carga é diretamente proporcional ao valor da carga geradora e inversamente proporcional ao quadrado da distância. Logo, quanto maior a força de atração da carga geradora, e menor a distancia entre ela e os objetos ou seres atraídos, maior será a força do campo elétrico.

Na vida não é tão simples quanto na física, não que física seja simples é que a vida é mais complicada mesmo... Principalmente na parte dos sentimentos. Porém pode-se dizer que todas as pessoas possuem em si um campo de “atração ou repulsão” Que só é perceptível ao colocarmos uma pessoa (q) em uma região na qual exista essa atração de outra pessoa (Q). Quando essa pessoa (Q) “atrai” o individuo (q) Compreende-se que é transmitido a todo o espaço ao redor destes a existência desse corpo (Q) através de uma força F. A força F sob a qual a carga q fica submetida, assim como na física, poderá ser atrativa ou repulsiva dependendo dos sinais de (Q), porém, sinais na convivência de pessoas deixam de ser os matemáticos e assumem outras formulas diferentes das físicas... Só que as ciências sobre pessoas são muito menos exatas, e muito mais “humanas” por tanto sejam os sinais positivos ou negativos, os resultados ainda assim podem divergir.

Creio que talvez essa formula de “atração” possa ser aproveitada a cerca dos sentimentos, com algumas alterações é claro:

· Ficaria assim: Onde K continua sendo a constante... Porém dessa vez muito mais “inconstante” ou instável (se preferirem uma linguagem conveniente a cientificidade do texto) e passa a depender não só do meio, mas do momento e de uma outra serie de coisas que dependem de outras coisas, gerando algo que pode ser tão facilmente descrito quanto o resultado final desta “equação”.

· Substituindo: Percebe-se por essa expressão que o campo de “atração ou repulsão” gerado por uma pessoa é diretamente proporcional a carga geradora, ou se preferirem a “atratividade” da pessoa(Q) que gera o campo. E inversamente proporcional ao quadrado da distancia. Logo, quanto mais interessante a pessoa geradora da carga é, e quanto mais próxima ela esta (física e/ou psicologicamente) maior será a atração...



-Que isso fique interminado... Eu sempre achei fins muito tristes mesmo...

-Algumas pessoas nunca deveriam ir embora, e algumas tem um campo de atração tão grande que nem uma distancia é suficiente pra anular...

-A ciência mais inexata é exatamente a da atração Humana...


Por: Amilton

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Mais dualidades que me perturbam...

Cada pessoa tem seus ''Anjos e demônios'', Coisas boas e coisas más que ao se somarem formam ''um ser''. Dentre esses tantos opostos complementares estão os vícios e as virtudes.

Vicio é um defeito ou ''erro'', disposição habitual para algo ou habito de cometer as mesmas ações, o antônimo de vicio é virtude.

Virtude é uma qualidade ou mérito, disposição habitual para se agir moralmente em direção do bem, o antônimo de virtude é vicio.

Outros dois que se encaixam em todo esse ''ying-yang'' são a racionalidade e o sentimentalismo, sendo estes últimos não necessariamente opostos, partindo-se do ponto que pode-se ser sentimental e racional ao mesmo tempo. O fato é que em geral quando as pessoas se tornam racionais demais elas se abstém de sentir algumas coisas, as vezes por medo de se magoarem e as vezes por achar que esses sentimentos não produziriam nem um tipo de evolução lógica. Já quando se esta ''inclinado'' a seguir o sentimentalismo parece que a lógica se esvai... ou pelo menos enfraquece bastante.

O ponto principal é : '' seriam o sentimentalismo e a lógica vícios e virtudes?'' , mesmo que não necessariamente nessa ordem, ou não necessariamente cada um sendo só vicioso ou virtuoso?

É preciso deixar claro que quando me refiro a ''sentimentalismo'' falo de sentimentos que sejam benevolentes como amor ou amizade, daqueles que ''mascaram'' os erros, esses ''furfle feelings'' costumam nos deixar querendo mais, querendo aqueles que os causam cada vez mais perto e por mais tempo, eles (a ambiguidade que fica aqui nesse ''eles'' é proposital, pois tanto os que causam os sentimentos como os sentimentos em si caberiam aqui) causam dependência, mas além de viciarem também nos ''encaminham moralmente'' em direção ao bem(pelo menos quando são benevolentes como eu disse) .

Já a racionalidade... ah a racionalidade... é, ela muitas vezes toma de nos esses suspiros tão agradáveis, mas nos salva instintivamente de certas ''mágoas''. Assim como a dor, a racionalidade serve pra nos avisar que tem ou pode haver algo errado, nos previne e nos protege de de ''ferimentos''(que por acaso são sinônimos de mágoas...) essa proteção é boa, e nos leva para o caminho mais lógico, lógico é sinônimo de racionalmente certo, portanto a racionalidade também é virtuosa, apesar de perigosa quando usada em excesso. O problema é que coisas boas são raramente usadas com moderação... e sem moderação se tornam novos vícios.

sábado, 14 de agosto de 2010

Ganhando tempo.

Tantos ''Hobies'' que ocupam tanto tempo,é , isso é contraditorio... Afinal, deveríamos nos dedicar ao que é ''promissor'', Pena que o que é ''bom'' pro futuro dificilmente é bom pro presente.

-Ganhando tempo.

Não perdi !
Na verdade até encontrei... Algo pra me manter, algo pra poder suportar...
Que não me levou além, Pelo contrario, me fez ficar e poder continuar
Não trouxe expectativas boas e novas. Mas me fez esquecer as ruins.
Não me evolui, não me ''melhora''... são apenas passa tempos, Que alguns chamam de perdas de tempo...
Mas não são perdas, São ganhos! de alegrias, de sorrisos, de forças. Pra resistir e poder ''perder'' o NOSSO tempo tão raro apenas esperando pelo futuro.


sábado, 31 de julho de 2010

O resgate.


Por agora, e só por agora o otimismo não esta aqui, talvez ele tenha se perdido no banheiro ou em algum dos lugares para os quais eu nem fui, pode ser que ele tenha fugido desse ''tédio de ser'' que João mencionou uma vez, ou pode ser que simplesmente eu tenha me livrado dele por um dia, um dia chato.
De manhã cedo parecia que tudo ''seriam flores'', talvez seja por eu ter ido até uma floricultura, foi ai que eu encontrei a florista cruel... aquela que lida com as rosas e que leva alegria para tantos romancistas e que se presumia que seria romanesca por tabela, na verdade era extremamente desacreditada de amores, e eu diria pessimista(de um modo contagiosamente ruim).
É difícil de acreditar, mas a mestra das pétalas era também a mestra dos espinhos, e enquanto ela podava algumas plantas ela percebeu uma com o caule escurecido... foi ai que ela disse : ''olha pra esse caule! essa planta vai morrer...'' eu questionei e disse que só era o caule de um uma das ramificações, mas ela me explicou que aquilo estragava a harmonia do vazo, e simplesmente cortou o caule quase que na raiz. Mesmo com medo de me intrometer... afinal ela era uma profissional e tudo que eu entendo de flores é que elas são lindas e alegram as pessoas, eu disse que ela não devia cortar pois isso mataria a planta quase toda! Ela me olhou com um sorriso quase que cruel, como se fosse um serial killer, prestes a fazer mais uma vitima, então falou : ''mas e dai ? tudo morre um dia, seja eu você ou essas flores, as coisas só valem o valor que tem enquanto o tem, e na hora que estão la, se eu deixar ela aqui, ela vai morrer , as folhas vão cair , o vaso vai ficar vazio, ou pelo menos vago com a planta seca, e esta flor mesmo morta vai ferir a imagem das outras, eu não vou poder vende-la, e além de não ganhar dinheiro não ganharei nada com a imagem dela desfalecida. Por que você se importaria? o mundo é assim, novas mortes cada vez mais inacreditáveis aparecem no tele-jornal todos os dias, e você se importa com esta flor? que você nem vai comprar! ''
percebi que de alguma forma que me assusta ainda agora de concordar... ela tinha razão ... Mas não completamente !
Fui até o balcão e salvei a pobrezinha da morte. Não sei o quanto ela vai durar de fato ... Mas pelo menos por um dia ela viveu a mais .

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Um dia em 16 minutos.

Faltam 27 minutos pra hoje acabar... e eu achando que duraria tão mais...parece que das 21:20 pra 21:24 passaram-se três horas, e pra compensar negativamente foram dois minutos das 21:24 pra 22:30.
hoje eu recebi tipos diferentes de flores (*.* linguagem informal de carinhas de internet) recebi aquelas que crescem na terra e que tem um perfume bem leve, que a gente tem que regar e por no sol, mas também recebi flores mais praticas inteligentes e diga-se de passagem até mais bonitas do que as de vazo...
Conheci pessoas que eu já conhecia, e até fui trocado por um jogo virtual(que ironia falar isso em um texto publicado virtualmente) Pedi para os convidados pagarem a comida, e descobri que eu sou um cozinheiro razoavel...( sei fazer bolo melhor que a minha mãe né ) discuti sobre o tempo, sobre como lidar com perdas, e sobre como esconder coisas em capas de Dvd(HAHA)
Mas acima de tudo, eu desejei que o dia não acabasse, e imaginei como seria bom se o meu segundo dia de ''ferias'' fosse tão bom como hoje. Mas cada vez que eu olhava para o relogio um minuto subia, como se ele quisesse me torturar devagar , e dizer que no fim ele venceria...


Vem vindo, vem vindo, vai indo...
outro dia que parecia durar...
risadas, musica e brigas com o relogio...
cada olhar, cada som, cada gosto...
simples e compostos, tudo junto, e extremamente mal rimado .

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Quase sempre no quase.


Quase todas as minhas idéias surgem quando estou conversando com algum dos meus amigos, dormindo(sonhos) ou tendo devaneios por ai(também poderia dizer em sonhos, mas geralmente nos devaneios eu estou acordado e ''lúcido'') .
Em uma dessas conversas, nos falávamos sobre os lados diferentes que as coisas podem ter, e que TALVEZ muitas das coisas ''certas'' sejam erradas. Foi ai que um ''grande'' amigo meu(ele vai entender o trocadilho) disse que gosta muito da palavra ''talvez'' por que tudo pode ter dois lados, duas perspectivas e eu percebi(meio que já sabendo mas não tendo formulado a idéia) que a unica verdade é a possibilidade, eu não disse isso na hora, afinal estávamos falando de muitos assuntos pra eu me ater a algo especifico naquele momento.
O fato é que quase nada, sem exceções além da própria possibilidade(pelo menos que eu me lembre agora)pode ser dito como verdade absoluta.
Todos esses ''talvez'' me deixam mais cético sobre muitas coisas, foi ai que outro amigo me disse a seguinte frase, que eu usei pra entitular este texto : '' quase sempre no quase'', o que me deu a idéia de escrever este segundo amontoado de letras que segue abaixo .




''quase sempre no quase...
quase alcansando, quase cansado...
quases consecutivamente colocados, que quase ecoam...
por quase todas as fases...

Vidas quase perdidas por rotinas, ou quase perfeitas por acasos...

Tantos quases que quase sempre são esperançosos

Tantos sempres que quase nunca são eternos...

Juras, sonhos, esperanças... E uma palavra chave, que quase abre a porta...

Mas as vezes quase(,) não é suficiente...''

Por: Amilton

participações inconscientes: Felipe Bastos e Tarique Samir.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Tentando acordar da realidade!

Ontem tive um sonho assustador. Mais um dos sonhos que me fez perguntar-me de novo, o que é real? O que é importante? Como se pode ser feliz? Até quando a ilusão pode ser melhor que a realidade? e até quando a realidade importa mesmo?
No meu sonho eu estava apaixonado por uma garota( sem citações de nomes, afinal era só um sonho), o problema é que eu não sou apaixonado por ela de verdade, nunca tive nenhum tipo de relacionamento amoroso com ela, ou se quer pensei nisso!. Nesse devaneio noturno eu namorava essa tal garota, e eu tinha lembranças de uma ''historia'' com ela, como se tivesse vivido muita coisa ao seu lado... haviam em mim vários sentimentos como amor e até nostalgia(o que mostra a ''noção'' de tempo que eu tinha no momento).
O fato é que eu acordei feliz!Como se tudo aquilo fosse verdade, e tudo que eu sentia naquela noite fosse real, eu até procurei a garota quando acordei ... Depois, aos poucos eu despertei de verdade. Minhas lembranças reais começaram a sobrepujar as lembranças da vida inteira que eu vivi em uma noite... Foi ai que tudo que era ''real'' quando eu acordei, se tornou ''fantasia''. Ficou claro que tudo foi um sonho, ou pelo menos convencionalmente claro... O fato é que só por ser sonho não me pareceu menos importante... Naquele momento de euforia pela vida que não existia eu me perguntei sobre minha vida de verdade. Sim eu sou feliz! e eu o sou com o que eu tenho, sem tirar nem por, mas no sonho também o era, de maneiras diversas, mas sempre ''consciente da felicidade'' .
As pessoas costumam viver com varias regras, e varias imposições próprias, eu diria que as vezes chegam a ser quase ''ditadores deles mesmos'' e isso as vezes nos traz algum pudor diante de certas coisas boas... No meu ''wonderland'' eu podia sentir a presença da felicidade e a ausência do medo, acho que nem teria tempo, afinal viver uma vida inteira em uma noite é difícil (eu tenho levado quase 19 anos vivendo a minha até agora, e ela nem acabou)
A ultima pergunta é a mais difícil de se responder :'' até quando a realidade importa mesmo?'' É quase impossível definir ao certo, mas talvez o importante seja mesmo a felicidade, como disse uma vez um certo personagem de um filme: ''O problema de certas verdades é que elas fazem todo o resto parecer mentira'' quem sabe um pouco de loucura e ilusão não sejam saudáveis?!. Eu acho que ainda sei distinguir o que é ''real'' do que é ''sonho'' mas de uma coisa eu tenho certeza! quero ter mais vidas que eu não vivi, e sentir essa ''saudades que eu sinto de tudo que eu ainda não vi''. Uma vida cada noite, cada tarde, cada cochilo, e quem sabe no fim ao invés de uma vida eterna, eu tenha milhares de vidas finitas.



















''Daisuki to omou karane...
kizutsuitari tomadottari
Tsumetai hoho wo yoseatte
kokoro ga umareta...''

''É porque te amo muito...
Por isso nos ferimos, por isso ficamos confusos
Com nossos rostos frios bem proximos
nosso coração nasceu...''

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Trocando sorrisos com o céu.


A lua esta sorrindo, o céu nublado tem pontos de luz das estrelas as quais me distraiam enquanto eu andava até aqui. Peguei uma flor amarela no caminho pra casa, a qual eu trouxe o caminho inteiro, todos me olhavam com um ar de espanto como se dissessem : ''o que ele vai fazer com isso ?'' nem eu sabia.
Vi uma garota sorrindo com as amigas e pensei em dar a flor pra ela, mas não, ela podia interpretar mal e achar que haviam segundas intenções. Vi mais uma menina na parada de ônibus e pensei de novo... também não, ela me parecia mais perdida do que eu, provavelmente apaixonada(quisera eu me apaixonar hoje).
Uma senhora de uns sessenta e tantos anos estava em uma venda por onde eu passei, cogitei a hipótese de presenteá-la, mas o marido dela estava la e podia entender mal, afinal as pessoas nunca compreendem que pode se dar flores só pra deixar os outros felizes.
houveram vários outros momentos em que eu quis dar a flor, mas em alguns casos eu achei que um dos anteriores era mais justificável e acabei por hesitar por não querer ser injusto, cheguei em casa e comecei a escrever e procurar algum modo de tirar uma foto da lua de sorriso tímido entre as nuvens, antes de eu acabar de escrever minha mãe chegou e disse que sentiu saudades de mim por eu ter passado o dia sem vê-la, dei-lhe a flor e ela sorriu, acho que foi bom ter esperado. Da próxima vez eu vou pegar mais flores pra não ficar pensando se entrego elas ou não.

quinta-feira, 8 de julho de 2010


As vezes as pessoas duvidam de como gestos simples podem fazer diferença, acredite pois eles podem.
No dia 13/06 eu participei com essa galera legal da campanha abraços grátis de Belém, eu mesmo duvidava que isso fosse mudar algo para as pessoas que a gente abraçasse, mas isso foi antes de ver como era de fato. As pessoas ficam tão felizes! e a maior recompensa é receber um abraço apertado de volta e um sorriso. Além das criancinhas dizendo : ''oi tio palhaço'' tem as pessoas que passaram o dia trabalhando e sorriem quando recebem abraços ou apenas vêm a boa ação de perto. Espero participar de muitas outras campanhas e tentar melhorar o dia de muitas pessoas, até por que, eu sei como é querer abraçar forte alguém e não poder.









Assinado : Tio Palhaç.




domingo, 4 de julho de 2010

Everything is made to be broken.




And so it is , just like you said it wold be... life goes easy on me, most of the time. But i'de give forever to touch you cause you were the only one who i know that have felt me somehow, you were closest to heaven that i've never been and i just want to drean with you tonight.
Our lives went by so fast, but hey there delilah what's it like in São paulo ? i'm thousand miles away but girl tonight you look so pretty, yes you do ... time square can't shine as bright as you i'm swear it's true, but you swear you love me more.
Theres only 1 thing 2 do 3 words 4 you i love you , because you give more love than i've ever had made me feel better when i'm feeling sad and tell me that i'm special when i know i'm not. And everything you do . I've got so much left to say, but if every simple word that i wrote to you would take your breath away... i'd write it all even more in love with me you'd fall we'd have it all.

I don't wanna the world to see me, cause i know that they don't understand...


http://www.youtube.com/watch?v=ZrOGn1I55tc ( hey there deliah- plain the white T's[cover do japa] )

http://www.youtube.com/watch?v=5YDdcls5hNw (blowers dauhgter- Damien rice )

http://www.youtube.com/watch?v=EZj2OMPWEZc ( there is - box car racer)


http://www.youtube.com/watch?v=Lf1lbQYqpS4 ( 1,2,3,4- plain white T's )



sexta-feira, 23 de abril de 2010

Exclusão digital.

Bem vindos a beleza da exclusão digital, é engraçado como a internet e todos os seus meios de comunicação nos ''aproximam'', pelo menos de quem está muito longe fisicamente.
Bom todos tem pessoas com quem falam mais, e também pessoas com as quais falam sobre assuntos específicos, não é por que alguém não fala com você que essa pessoa é ''anti-social'', assim como nem todo mundo, que fala especificamente com você, é extremamente social. Agora vamos aos meios mais conhecidos, quantos amigos você tem no orkut e no msn?
Lembra aquele garoto da sua sala de aula? aquele que não sentava nem na frente nem atrás, que não falava nem com os ''nerds'' e que todo mundo achava isolado? olhe pro seu msn, veja quantas pessoas tem online, e com quantas você esta falando... se for como eu pensei, parabéns você é o garoto isolado virtual, mas é importante lembrar, aquele garoto da sua sala só tinha a possibilidade na sala de falar com quem estava nela, já você, com todos os meios de comunicação, pode falar com bem mais gente.


ps: eu me incluo no cara isolado da sala, e se você me conhece e discorda... acredite é apenas por me conhecer e ter muitos assuntos em comum.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Drogas populares


A definição de droga é : substancia química que altera os sentidos. Assim podemos dizer que, das drogas que conhecemos, temos os remédios de farmácia e as drogas legais como álcool.
Também existem outras que as vezes ninguém considera droga, uma delas é o amor.
Quando nos apaixonamos o cérebro libera varias substancias químicas no nosso corpo que provocam alterações fisiológicas. Por isso é comum ouvirmos que quando estamos apaixonados ficamos mais bonitos. Uma dessas substancias é a dopamina, que estimula o ser humano a trabalhar mais, sentir-se motivado e concentrado, assim como a ausência dessa mesma substancia o deixa depressivo. Quando amamos , a dopamina é liberada em maior quantidade como se o seu cérebro disse-se : ''de tudo a pessoa amada, se esforce''. Essa liberação exagerada de dopamina dura até mais ou menos 18 meses ou três anos de relacionamento, e quando casais se desentendem pode não ser por falta de amor, mais sim por problemas físicos que alteram a química corporal ( isso explica as brigas sem sentido né?) .
Então se o amor ocorre pela produção exagerada de uma substancia química pelo cérebro, podemos dizer que o amor é uma ''droga '' (as vezes até nos sentidos mais amplos da palavra , mas isso são experiências pessoais). E eu diria mais , o amor é a pior das drogas, pois altera os sentidos e percepção de um jeito tão forte que o feio fica bonito, o errado vira certo e o imperdoável é perdoado. O amor é bom , mas deve-se ser cauteloso, pois ele é também dominador e cruel as vezes. E quando eu digo que o amor é a pior de todas as drogas é bem serio, afinal, você não vê um viciado matando o outro por que ele deu um '' tapinha '' no seu baseado, agora no amor a coisa é bem diferente...

terça-feira, 13 de abril de 2010

Anestesia

Acordo sem saber o quanto dormi... será que acordei mesmo? ; Vou até a pia do banheiro, jogo água no rosto, tento despertar. A sensação da água é tão familiar, o gesto de lavar o rosto tão mecânico, tudo continua acontecendo inconscientemente, talvez seja só mais uma parte do sonho.
Vou até a geladeira, chocolate com coca-cola, não há sono que resista à uma boa dose de glicose e cafeína. O gosto do chocolate é bom mas mesmo com tanto açúcar continuo entorpecido. Coloco umas musicas pesadas e animadas das quais gosto, mas acho que já às ouvi tantas vezes que soam sonolentas. Toco outra musica no violão, canto apenas dessa vez não querendo paz, e sim animação, a musica que toca ao fundo diz : ''lost in the arms of destiny...'' difícil que soasse mais desagradável, mesmo com raiva de me sentir por um momento sem controle de mim vou até o espelho, olho, nada diferente a não ser por novas espinhas as quais nem reparo.
Como a gente pode diferenciar o sonho da realidade ? alguns dizem que é só tentar fazer algo, por que supostamente em sonhos não se pode controlar as suas ações, eu pelo menos controlo as minhas , acredito que não seja o único. Já sei ! apelo para técnica mais banal... me belisco, é doeu... mas ainda não é suficiente, me arranho, mordo o lábio e sinto gosto de sangue, doeu um pouco mais, mas ainda me sinto entorpecido. E não é por nada químico antes que alguém se pergunte se eu uso drogas.
Saio de casa, ando na rua, tudo como sempre. nada diferente que diga que não é um sonho ou que seja estranho o suficiente pra afirmar que eu esteja mesmo dormindo. Fui até um lugar do governo pegar um documento, e o mesmo homem me diz a mesma coisa : '' volte segunda feira'' .
Volto pra casa, durmo de novo, acordo de novo, confuso de novo, outro dia, outro desvaneio. Será que você esta acordado agora ?

quinta-feira, 1 de abril de 2010



Quanto mais o tempo passa ... mais longe ele fica ...
o agora é tão claro. Tão visível .
parece que só existe isso aqui! será que não é verdade ?
eu lembro de como as coisas eram , mas ao lembrar, o que mais fica em evidencia, não é como foram, e sim, que apenas não são mais. O engraçado é como o passado, mesmo passando, dura tanto em nossas mentes. mentiras que viraram verdades e verdades que viram mentiras. algumas pessoas que amamos muito morreram. pessoas comuns tornaram-se especiais. haja saudades, nostalgia e esperança que as vezes quase some .

O presente! certo! rápido! intenso! curto!Uma unica linha.




O futuro, distante...longe...incerto... tão dependente do nosso passado quanto do nosso presente...as vezes de tão incerto parece até adolescente, cheio de poesia e de vontade, feito de imaginação ... dividido em futuro longínquo: tão longe que nem se pensa ou escreve sobre ele ; futuro : onde a gente planeja, almeja, deseja e espera com incerteza somente a alegria , deixando a hipótese da tristeza pro futuro seguinte, o futuro próximo : não sei se menor ou do mesmo tamanho do presente, não da pra terminar de dizer que vai acontec... antes de de fato ter acontecido... rápido... se confunde com o agora , e vai direto pra ainda pouco...depois pro ontem... e para as lembranças...


Por : amilton


''O AMOROSO ESQUECIMENTO
Eu, agora - que desfecho!
Já nem penso mais em ti...
Mas será que nunca deixo
De lembrar que te esqueci?.

-O passado não reconhece o seu lugar: esta sempre presente.

-O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo...''

(Fernando Pessoa )

segunda-feira, 29 de março de 2010

Post metalingüístico.


Provavelmente deve ter alguém querendo saber por que o nome do Blog é '' Monólogo Virtual '', e talvez também queiram saber o que me fez escolher o titulo desse post, mas caso não queiram, eu vou explicar mesmo assim. Vamos com calma, primeiro vamos usar o Blog para explicar um pouco dele mesmo, no caso, o titulo.
O titulo do Blog é : '' Monólogo Virtual '' , mas da pra ver isso olhando para o começo da pagina...Então, a definição de monólogo é : Forma de discurso em que o locutor extravasa de maneira razoávelmente ordenada seus pensamentos e emoções, sem dirigir-se a um ouvinte especifico. É justamente essa a idéia, usei a palavra monólogo não por ser mais '' difícil '' mas por conseguir resumir em uma palavra o que eu sentia. É que as vezes se anda por ai falando com algumas pessoas que não te respondem quase nada, ou ate respondem, mas só de modo automático, e eu me pergunto, como um ser humano com capacidade intelectual '' superior '' a todos os outros seres da terra pode em uma conversa dar apenas respostas como ''Hum...'' ou ''é... '', e eu me via nessas conversas, muitas vezes quase que falando sozinho, ou pelo menos transmitindo alguma informação sem receber outra em troca. Dai eu decidi que se é pra falar pra uma pessoa especifica, e só ouvir respostas ao estilo '' Hum, é mesmo '' seria melhor falar sem um alvo especifico, não estou dizendo que todos são assim. Eu conheço algumas pessoas com quem adoro conversar, justamente por me estimularem de vários modos, mas para os que não estimulam é melhor não ter a pretensão de receber uma resposta. dai monólogo, assim eu falo e desabafo livremente.
Agora que já expliquei o nome do Blog, talvez nem precise explicar o nome do post, já que eu usei o Blog pra falar dele mesmo, mas para deixar a metalingüística completa, vamos usa-la para explicar o que ela mesma é. metalingüística é a utilização do código para falar dele mesmo por exemplo: uma pessoa falando do ato de falar, outra escrevendo sobre o ato de escrever, um monólogo explicando o que ele mesmo significa, ou um post metalingüístico falando sobre a própria função de linguagem .
Espero que tenha tirado duvidas, ou não espero. Afinal o importante é dizer o que eu penso e sinto, e não necessariamente quem vai me escutar .

domingo, 28 de março de 2010

Tão tarde que era cedo .


A todo momento dezenas de idéias passam pela minha cabeça. sobre os mais diversos tópicos, e o que parece ótimo nem sempre é. Afinal com tantas coisas na minha mente eu nunca consigo me focar, seja em um ponto fixo ou em uma unica idéia . O pior é quando eu tento passar isso pro papel... Me excedo e quanto mais me afasto do Titulo ( isso quando tenho um ) mais minhas idéias se misturam.
Hoje, talvez, eu ate que esteja meio '' focado '' com certeza não no que eu '' deveria '' estar, mas em algo que é interessante, e não tende ao tédio. Um conhecimento que não me é imposto como pré-requisito para meu '' futuro '' , que droga ! eu quero ser psicólogo, pra que eu tenho que aprender matemática e física ... O conhecimento que eu estou falando é o das pessoas, eu passei em torno de duas horas desse fim de noite lendo textos de alguns conhecidos, e conversando com outros ( são poucos que realmente dormem de madrugada ) . E as pessoas realmente me surpreendem, seja de modo bom ou ruim, mas em geral as que eu conheço me surpreendem de modo bom. Queria eu que eu me abismasse assim comigo mesmo, sinto me tão incompreendido pelos outros, porém tão simples pra mim mesmo . Fujo da rotina enquanto tenho forças mas quando não tenho mais ignoro e simplesmente me vejo no ócio .
Toda essa auto análise não adianta muita coisa, bom, pelo menos não no sentido de mudar minha vida. Eu sei como eu penso ( deu pra perceber que sou meio pré-potente ?) , sei o que eu sinto, o que eu não sinto e o que eu evito ou não me permito sentir, mas o que eu queria mesmo saber agora nesse exato momento, as 23:57 é como dormir com tantas idéias e conspirações na minha cabeça.


Eu esperava dormir antes que o tarde virasse cedo, as 00:16 eu vim pro computador pra fazer esse blog. (pelo menos dormi antes das seis . )